Cidades inteligentes - CGL

Como são e no que investem as cidades inteligentes Decoração & Arquitetura | Tendências | 06.07.2018

As cidades estão constantemente se transformando. As tecnologias atualmente fazem parte dessa transformação, deixando tudo o que existe numa cidade mais conectado, eficiente e seguro. O investimento nesse tipo de modelo urbano é considerado uma aposta para o futuro, por que será?

Como “pensam” as cidades inteligentes? Como é possível criar uma? Basicamente, elas investem em três conceitos primordiais, sobre os quais falamos a seguir, mas já podemos citar: ecologia, sustentabilidade e conectividade.

Cidades e meio ambiente em sintonia

Poluir menos é uma prioridade para cidades inteligentes porque é um modelo urbano que percebe que o lixo prejudica o planeta. Coleta seletiva, manuseio correto do lixo, aterros mais sustentáveis, reciclagem priorizada, tratamento adequado de água e captação da chuva e incentivar meios de transporte que poluam menos são algumas coisas que podem ser praticadas nesse formato de cidade.

É difícil ver cidades que já conseguem manter esses sistemas. No entanto, alguns condomínios fechados já fazem isso, investindo principalmente no fator de preservação de meio ambiente.

O Jardins São Lourenço, por exemplo, lançamento da CGL, possui centenas de metros quadrados de área verde preservada. Estas áreas são bem cuidadas, preservadas e são um respiro verde no meio da cidade.

Tudo conectado

Ter tudo conectado e se comunicando via internet é o grande quê do nosso século, e é a maior aposta das cidades inteligentes. Iluminação residencial e urbana inteligentes, que acendem e apagam de acordo com o movimento é um exemplo.

Mas as possibilidades vão longe. A Internet das Coisas, isto é, a conectividade entre diversos dispositivos, possibilita muito. Aparelhos inteligentes podem facilitar o transporte, diminuir burocracias, aumentar segurança, entre várias outras vantagens.

Recursos bem utilizados

Utilizar a água da chuva, a energia do sol e do vento, aproveitar a reciclagem, propor hortas e jardins comunitários, incentivar transportes coletivos, etc. Nas cidades inteligentes, a proposta é sair do modelo convencional e utilizar recursos de uma forma mais responsável e eficiente, utilizando inovações e soluções tecnológicas para tirar o máximo proveito de tudo.

A ideia é fazer com que recursos e energia não sejam gastos de forma ineficiente. Para isso, a tecnologia se coloca disponível para deixar os processos mais fáceis. No entanto, é também uma postura.

A reciclagem, por exemplo, é um dos grandes fatores. Ter certeza de que o lixo está sendo separado e enviado para o melhor lugar possível é uma postura de cidades inteligentes.

Novamente, isso é algo que já vemos acontecendo em alguns exemplos de condomínios fechados, mesmo que esses não estejam dentro de cidades inteligentes.

A CGL leva alguns destes conceitos bem a sério, principalmente no que se refere à preservação do meio ambiente e uso correto de recursos. Tanto em nossas construções quando na administração do condomínio, fazemos tudo da maneira mais inteligente possível!

Quer conhecer nossos últimos lançamentos? Dê uma olhada em nosso site!


posts relacionados

Foto por: Freepik

Como ter uma casa pet-friendly Qualidade de vida | 13.02.2019

Quem tem um animal de estimação, normalmente gato ou cachorro, sabe que sua rotina e até sua casa podem mudar por causa dele. E quem quer...
Telhados Verdes - CGL

Telhados verdes: como economizar energia e aumentar o bem-estar Decoração & Arquitetura | 29.10.2018

Atualmente, existem várias soluções para residências que fazem com que a economia de dinheiro e a sustentabilidade andem lado a lado. Os...